Política

Tecnologia garante trabalho remoto da Assembleia durante a pandemia

O serviço de tecnologia da Assembleia tem garantido a realização de sessões remotas da Casa, assim como a continuidade dos serviços das diretorias, departamentos e seções administrativas. Desde o início do período de isolamento social, em decorrência da pandemia do novo coronavírus, a Alego tem atendido aos protocolos de segurança sanitária, por determinação da Mesa Diretora, presidida por Lissauer Vieira. A Diretoria de Tecnologia da Informação fez os ajustes necessários, como forma de garantir o andamento das atividades parlamentares por videoconferência

Durante esse período de isolamento social, em decorrência da pandemia do novo coronavírus, o Legislativo goiano tem atendido aos protocolos de segurança sanitária. A entrada à Casa só é permitida a um número essencial de servidores, que trabalham em escalas de revezamento para a realização das atividades legislativas.

As recomendações atendem a determinações da Mesa Diretora, presidida por Lissauer Vieira (PSB).

As sessões ordinárias e reuniões das comissões têm acontecido de forma remota, acompanhadas por servidores que trabalham de suas residências ou de escritórios, além de um número restrito que atua no apoio ao Plenário.

São servidores da da área de tecnologia da informação, Diretoria Parlamentar, audiofonia, taquigrafia, imprensa e poucos parlamentares, que dão andamento às comissões técnicas e às sessões plenárias.

Diariamente, para adentrar às dependências da sede da Assembleia Legislativa, os servidores passam por uma triagem logo que chegam ao Palácio Alfredo Nasser, onde recebem álcool em gel para higienização das mãos, aferição de temperatura por termômetro de infravermelho (sem qualquer contato com a pessoa) e limpeza dos calçados. O controle de visitantes também está reduzido ao estritamente necessário. O uso de máscaras faz parte das normas a serem seguidas conforme a determinação da Mesa Diretora.

A fim de possibilitar o trabalho remoto, principalmente na realização das sessões, das quais os parlamentares podem participar de onde estiverem, a Diretoria de Tecnologia da Informação realizou os ajustes necessários, como forma de garantir o andamento das atividades parlamentares. Conforme explica o diretor de TI, Fagner dos Santos Gonçalves, o software da Microsoft Teams tem sido uma ferramenta indispensável para que as sessões remotas pudessem acontecer.

A tecnologia já havia sido adquirida pela Casa, anteriormente, e era utilizada pela TI, pelo Departamento de Compras, Licitação e Recursos Humanos, para transitar documentos, de forma interna. “Já tínhamos o software quando surgiu a necessidade de usar para as sessões remotas. Temos feito os ajustes necessários para possibilitar a realização das sessões”, disse. Ele explicou que a ferramenta conta com uma política em que só podem entrar no sistema as pessoas que possuam conta de e-mail corporativa, devidamente cadastrada. “A tecnologia tem permitido que cada deputado vote e confirme o mesmo, por meio do celular ou computador”, pontua.

Outro fator apontado pelo diretor de TI, e que tem contribuído para a realização dos trabalhos de forma remota, é a qualidade da internet utilizada pela Alego. Além disso, Fagner Gonçalves afirma que o trabalho realizado em conjunto com a Diretoria Parlamentar, o serviço de audiofonia, a TV Assembleia e a Agência de Notícias, tem permitido os bons resultados durante as transmissões. “Teve muita colaboração de todos. Já quando ocorrem falhas, o problema normalmente é por causa da qualidade da internet na outra ponta, já que muitos dos deputados estão em outras cidades ou em fazendas”, aponta.

Desde o início das sessões de forma remota, já foram implementadas algumas rotinas internas que permitiram o registro de presença dos parlamentares e a possibilidade de votação. “Já conseguimos ajustar o cronômetro, para que cada deputado possa acompanhar seu tempo na tela do presidente. Com a ajuda da Diretoria Parlamentar, foi possível, inclusive, colocarmos o painel de votação. A TV contribuiu, por exemplo, para o melhor enquadramento dos participantes das sessões”, pontua o diretor de TI.

“Já para o final de maio, a expectativa é de melhorias, inclusive com a possibilidade de aumentar o número de enquadramento de mais deputados na tela, já que atualmente é possível colocarmos quatro”, complementa.

O deputado Cairo Salim (Pros) comemora pela facilidade oferecida por meio tecnológico, mas diz estar sentindo falta das reuniões presenciais. “Prefiro muito mais estar no Plenário, fisicamente nas comissões, debater olho no olho com os colegas deputados, ouvindo também e acompanhando a população presente na galeria da Casa. Isso não sendo possível no momento, mas que bom que nós temos essa tecnologia, e que bom que a Assembleia Legislativa de Goiás se atualizou e se adequou a essa comodidade da informática, do uso remoto no celular e no computador”.

Imprensa

Chefe da Agência de Notícias, Cida Mendonça explica como acontece a cobertura das atividades parlamentares, em que repórteres podem trabalhar de suas residências ou escritórios, na cobertura das sessões remotas, por exemplo. “A Agência de Notícias fez adequações ao seu trabalho, para permitir a execução da cobertura das atividades das sessões remotas. Algumas dificuldades foram detectadas, mas, aos poucos, vamos fazendo ajustes”.

Já em relação à cobertura das sessões, em tempo real, ela diz que esse serviço é feito pelos repórteres, em suas residências ou escritórios. “A escala de trabalho é feita, diariamente, repassada através do Whastsapp, e cada repórter cumpre sua pauta, e vai postando no administrador do Portal de Notícias”.

Cida lembra que o trabalho de edição e revisão também está sendo feito de forma remota, “cada um em casa, contribuindo assim com as determinações de isolamento social”.

Outro ponto salientado pela chefe da Agência de Notícias é que há uma certa dificuldade, por exemplo, na checagem de projetos, votações, bem como ter acesso imediato ao conteúdo dos processos em pauta. “Mas o apoio da assessoria técnica da Diretoria Parlamentar e das comissões técnicas têm nos ajudado na nossa tarefa diária. Também contamos com apoio da Diretoria de Tecnologia da Informação para o ajustes necessário na administração do portal, no intuito de tornar o trabalho do dia a dia mais dinâmico”, enuncia.

O trabalho da audiofonia tem permitido que a taquigrafia da Casa realize o registro das sessões. De acordo com Deurismar Silva Ferré, chefe da sessão, o atual momento veio trazer um maior conhecimento, que permitirá fazer um futuro diferente. “A tecnologia está aí para a gente usar. O trabalho tem fluído bem”, afirma.

Ferré avalia que o trabalho tem sido realizado com muita parceria entre os integrantes das diversas áreas, além do fato de que é conduzido com muita tranquilidade pelo presidente da Alego, deputado Lissauer Vieira (PSB) e deputados. “Eles entendem a necessidade de ajudar o estado e a população nesse momento”, complementa.

Com as equipes afinadas para a realização das atividades, graças à tecnologia desenvolvida na Casa, o serviço de taquigrafia tem trabalhado também de forma remota. “O material é enviado à equipe que trabalha de casa, eles montam esse material e me devolvem. Após devidamente revisado, é encaminhado para a publicação no Diário Oficial da Assembleia”, explica ao chefe da seção de taquigrafia, Kleber Pereira Houri.

Já a assessora adjunta de Consolidação de Legislação, Neolete Pires de Freitas, avalia que a nova realidade no trabalho é diferente e difícil. “É um desafio que se impôs, transformar um trabalho que era sempre presencial, com uma gama de assessores e um grande número de pessoas, com uma adaptação do mundo real para o mundo virtual, que é o que estamos tentando fazer da melhor forma, buscando atender sempre, de maneira satisfatória, tanto o regimento quanto os deputados”, explica. “Porque tudo que é novo é mais difícil que uma rotina já estabelecida”, conclui.

Suporte

O técnico em TI, Antônio Gedda, tem sido responsável por dar suporte aos parlamentares durante as sessões remotas. Ele explica que, caso os deputados tenham alguma dúvida, eles recebem as orientações necessárias. “Caso eles tenham alguma dúvida ou dificuldade, entramos em contato com eles e tentamos solucionar da forma mais rápida possível”, assinala. Ao concluir, ressalta a importância da utilização da tecnologia a favor da comunicação. “Espero que cada vez a Casa se utilize mais o que a TI disponibiliza para eles”, finaliza.

Uma das seções da Alego que também precisou se adaptar, a fim de atender à nova realidade, foi o Protocolo. Ainda continua a realização do trabalho de forma presencial, quando necessário, com escala de servidores, mas que também o realiza de forma remota.

O trabalho da seção é essencial para o andamento das atividades parlamentares, já que trata das documentações que tramitam na Casa, e permite a montagem dos processos. Para a realização das sessões, toda a documentação é encaminhada ao Plenário ou aos deputados, conforme o caso.

Segundo a chefe da seção, Lêda Aparecida Moreira, o protocolo trabalha em período integral, e a equipe tem se adaptado à nova realidade. “Nós utilizamos dois sistemas, o interno que é o (Sistema de Gerenciamento de Processos e Documentos (SGPD) e o Sistema Externo de Informação (SEI), da Governadoria, para a realização dos procedimentos, o que permite a realização do trabalho de forma remota”, explica. “Também solicitei à TI a adequação do sistema com a implementação de duas novas ferramentas, a fim de melhorar o trabalho”.

Conforme informou Lêda, o servidor que trabalha presencialmente recebe os processos físicos de prefeituras e da Governadoria, que são digitalizados e colocados no sistema, para a montagem dos processos. Mas, com a pandemia, o número de documentos recebidos por e-mail aumentou. “Muitos pedidos de calamidade pública, vindos de prefeitura, chegam ao protocolo, onde são autuados, para a posterior montagem dos processos”, explicou.  Fonte: Agência Assembleia de Notícias

Waldemar

Waldemar Rego é jornalista formado pela Faculdade Araguaia com diploma reconhecido pela Universidade Federal de Goiás UFG com extensão na área de mídia e política no cinema, fotografia jornalística e publicitária, diversidade cultural da mulher na comunicação, comunicação em tempos de mídias sociais, identidade visual em peças publicitárias e no jornalismo. Waldemar Rego também é artista plástico escritor poeta com vários livros a serem publicados.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo