Comissão investiga suspeita de fraude em compra de cavaletes na SMT.

Posted On 18 abr 2017
By :
Comment: Off

Ex- gerente administrativo e três servidores prestam esclarecimentos sobre a compra de 4 mil cavaletes que, segundo a investigação nunca foram entregues ao órgão em Goiânia.
foto 010Comissão investiga irregularidades em contratos da SMT em Goiânia, Goiás.

A Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Câmara dos Vereadores de Goiânia apura irregularidades na Secretaria Municipal de Trânsito e Mobilidade (SMT).  Como na semana passada, nesta segunda-feira dia 17 a Comissão Especial de Inquérito (CEI) ouviu o depoimento de mais quatro servidores a sessão apura o recebimento de 4 mil cavaletes adquiridos pela prefeitura e que segundo apuração, nunca foram entregues ao órgão.

O presidente da comissão o vereador Elias Vaz (PSB), ressalta ”Isso é crime e representa mais um forte indício de que esses cavaletes nunca existiram e a retirada foi fraudada”.

O primeiro a ser ouvido foi o ex-gerente do administrativo da SMT de junho de 2015 a agosto de 2016 e hoje coordenador do setor de compras e licitações da Câmara Municipal de Goiânia Alexandre da Silva Kruk, seguido de André Luiz Gonçalves Azevedo.  Depois prestaram depoimento Wander Alves de Aguiar e Alfredo Luiz de Souza Júnior.  Bastante nervoso Kruk, informou que atestou 3.150 cavaletes, apesar de não ter conferido o recebimento de todos eles.

Segundo o sistema da Secretaria, André Luiz Gonçalves teria retirado 2,7 mil cavaletes no dia 02 de março de 2015. Wander Alves de Aguiar teria feito três retiradas: de 25 cavaletes em junho de 2015; de 2,4 mil em fevereiro de 2016 e de mais 250 em maio de 2016. Já Alfredo Luiz de Souza Júnior seria o responsável por retirar outros 500 cavaletes em novembro de 2016. Além de ressaltar que não fizeram o procedimento, os servidores afirmaram não saber do paradeiro desses cavaletes. “Quando assumi a Diretoria de Fiscalização, em agosto de 2016, havia no máximo 50 cavaletes na Secretaria”, disse em depoimento Alfredo Júnior.  Os três também informaram nunca ter visto os quatro mil cavaletes que foram atestados pela ex-diretora administrativa Maria Bernadete dos Santos depois de ter saído da SMT. Ela própria afirmou à CEI que não tem certeza de que todo o material foi entregue.

Nem quando a tocha olímpica passou por Goiânia, evento que exigiu atuação da SMT num percurso de 20 quilômetros, foram usados tantos cavaletes.         A retirada na época foi de 250 unidades. “As evidências de fraude vão se confirmando”, completa Elias Vaz. Os vereadores aprovaram requerimentos solicitando à SMT cópias de outros contratos que serão investigados pela CEI.

 

 

About the Author